Fliperama de Boteco

Fliperama de Boteco #47 – Papo de Boteco #1

Fliperama de Boteco #47 – Papo de Boteco #1

Papo de Boteco! No ar mais um Fliperama de Boteco, com Guilherme ‘GZ’ Ferrari, Marcos “Índio” MeloAlysson, “O Guedim” , Sea, Giovani Batista e Fábio Franzoni. Nesse episódio falamos e discutimos sobre alguns dos programas mais usados no pcs nos anos 90. Aperta o play.

Recomende algum Beat ‘em up para o Guilherme jogar, mande e-mail para: gzferrar@gmail.com

 LINKS NO PORSCHE

Links Comentados no Podcast

ARTE DA VITRINE
Guilherme Ferrari

ADICIONE O NOSSO FEED
Abra o Itunes, clique em AVANÇADO, depois em ASSINAR PODCAST, cole o link a seguir e aperte em OK: Aqui

NOSSA PÁGINA NO ITUNES
Acesse aqui: Itunes Fliperama de Boteco

SUGESTÕES, FICHAS, CRÍTICAS, DICAS E DÚVIDAS
Envie e-mails para: contato@fliperamadeboteco.com

 

Gostou? Compartilhe!

Sobre o autor

  • Lilian Valduga Brandelli

    Pela primeira vez eu posso dizer que conheço mais de 80% de tudo o que vocês falaram. Isso porque, apesar da diferença de idade (que até mesmo vocês comentaram), a internet é um evento muito recente no Brasil (mais ou menos 20 anos) fazendo com que o povo que nasceu nos anos 70/80/90 usufruísse basicamente os mesmos programas e afins. Hoje, até nossos avós (os meus não querem :/ )começaram a se render à tecnologia, principalmente no que se diz respeito aos notebooks e smartphones.
    Pouco consegui usar programas para baixar músicas porque minha net discada era REALMENTE MUUUUUUUITO RUIM (quando conectava à 16kbps era uma alegria, 30kbps então era um milagre divino). Ficou um pouco mais fácil quando os programas permitiam pausar e continuar o download quando a net caía ou afins, mas mesmo assim não me rendeu muuuuitos downloads. Fiquei surpresa em saber que o Gui teve a santa paciência de ficar 1 ano tentando terminar um download 😛
    Aahh, e usei muito disquete e o winzip para pegar jogos de amigas/ primas. E dava uma raaiiiva quando um dos disquetes quebrava ou corrompia e precisava esperar que elas conseguissem gravar de novo pra poder começar a jogar!

    Desculpa aí galera. Eu tento escrever pouco, mas nunca consigo :/

    • Marcos Melo Corrêa

      Valeu pelo comentário monográfico!!
      Nossa, a maior alegria da minha vida era conseguir baixar jogos de Playstation 1 ou Dreamcast depois de dias tentando, pausando e continuando downloads enormes.

  • Vilguemberg Malkavian

    Bearshare foi minha primeira rede social.

    • Marcos Melo Corrêa

      Quem nunca ficou trocando links desses compartilhadores da vida pelo ICQ, MSN ou até mesmo pelo Orkut depois? auhauuahsu

    • Guilherme Ferrari

      Mais um programa para lista de clássicos.
      Mais algum que lembre?

  • Botecotes,

    Muito boa a pauta. Como sou profissional da área de TI, me senti bem a vontade
    com o assunto.

    Eu me lembro de usar o DOS na escola, 4a série, em um curso de o Colégio
    Einstein oferecia como extensão para usar a linguagem didática Logo. Depois de
    um tempo, conheci o Windows 3.1 (ou o 3.11, sinceramente não me lembro). Mesmo
    assim, preferia usar o DOS com o XTree. Quando lançaram o Windows 95, persisti
    muito no DOS, principalmente por causa dos jogos. Mas era um tempo em que meu
    conhecimento era muito limitado (novato, mesmo). Aprendi a usar DOS disquete
    de inicialização apenas para executar jogos como Pitfall, Street Fighter II,
    Mortal Kombat.

    Em 1998, comprei meu primeiro PC com os tickets alimentação do meu primeiro
    salário de estagiário. Foi quando eu conheci a tal da Internet e alguns
    milagrosos programas de download como o GetRight e seu clone, o Fleshget.

    Nessa tempo conheci jogos clássicos que amo até hoje: Warcraft II e StarCraft.
    Mas o melhor mesmo foi conhecer os emuladores.

    No início da Internet no Brasil, eu usava o Netscape. Nessa mesma época
    comecei a usar Linux (Slackware) e testei várias distribuições, desde a RedHat
    e seus “clones” da Connectiva e dividia muito a atenção entre Windows e Linux.
    Também gostava de testar outros SOs e entre 1998 e 2005, conheci muitos OS
    como o FreeDOS (http://www.freedos.org/), o BeOS (mais tarde conhecido por
    HaikuOS https://www.haiku-os.org/) e o ReactOS (https://www.reactos.org/) e
    outros que não me recordo. Por fim, atualmente uso Arch Linux, Debian, Red Hat
    (eca!) e (infelizmente) Ubuntu no Laptop. Uso o Ubuntu apenas por preguiça de
    não querer mais perder tempo em configurar o OS inteiro, como se faz com o
    Gentoo e o Arch Linux.

    Alguns anos depois, início dos anos 2000, profissionais criaram o protocolo
    BitTorrent (P2P) e não havia controle de banda nas suas primeiras versões.

    Conheci o Nepster, Kazaa e o Emule. Odiei por motivos profissionais. Alguns
    amigos usavam os programas e consumiam toda a conexão, até atualizarem o
    BitTorrent para controle de banda.

    Não usava muito o IRC. Ainda continua sendo um dos principais meios de
    comunicação para fórum de suporte ou ajuda em muitos grupos.

    Eu também usava o ICQ, o primeiro “WhatsApp”. Putz! Eu não lembro meu ID e
    perdi. Criei outro… Tentei recuperar minha conta, mas não
    foi possível. O sistema ainda é usado atualmente.

    A Netscape foi a principal empresa de Internet da década de 90. Ela
    desenvolveu o protocolo SSL usado para segurança (HTTPS). Desenvolveu o
    Mozilla que era fantástico. Era o “all-in-one” da época com navegador, email,
    IRC e editor HTML. Anos mais tarde nasceu a Mozilla Foundation, trazendo o
    Thunderbird e o Firefox, navegador que uso atualmente.

    WinAmp era incrível! Ainda existe… Para quem usa Linux, é o Audacious. Eu
    preferia o Music Match Box, que eu amava. Não há um semelhante no Linux.

    RealPlayer foi muito útil para assistir Anime. Saudade, hein!? RMVB era o
    formato de compartilhamento da época porque era “muito leve”. O Media Player
    Classic (2003) veio depois do RealPlayer (1995). Eu conectava o laptop em uma
    TV (CRT) via S-Video e a imagem ficava perfeita 😀

    Sobre os compactadores, eu usava o ARJ por linha de comando para fazer split
    de arquivos na época que usava o DOS. O WinZip não foi “incorporado” ao
    Windows. A Microsoft iniciou a funcionalidade de descompactação ZIP no Windows
    98 Plus! e oficializado no Windows ME em 2000 e, por conseguinte, nas futuras
    versões.

    Vocês esqueceram de mencionar o pesadelo de compactar em vários disquetes.
    Quando se tentava abrir em outro computador e um dos discos estava corrompido,
    já era! Hehehe. E usar o ARJ era uma excelente opção.

    Pessoal… muito obrigado pela nostalgia.

    Um forte abraço.

  • Rvs

    Então, não terminei de ouvir o cast ainda, mas vou comentar para não esquecer nada.
    Primeiro sistema operacional que tive contato ? MSX-Basic, em 1988. Alguns anos após tive experiências com Xenix (um Unix-Like da Microsoft). Depois segui o caminho de muitos daqui com MS-DOS e Windows. Mas passei por coisas estranhas com OS2/Warp e uma versão de Windows 2.0 em Alemão. No final dos anos 90 o Linux entrou na minha vida e tive o prazer de utilizar navegadores baseados em texto como o Links,
    Quanto a “fapeação”, meninos, no meu tempo não era nem vídeo, era gif de putaria. Disquetes com jpg´s e gif´s eram negociados a preço de ouro nos corredores da escola.
    Rede social/comunicador ? Se achavam o MiRC feio, imagino o que pensam do Xchat do IRC (que é o protocolo base do MiRC).
    Sigo ouvido o programa, em breve novos comentários. E obrigado por não terem gravado esse programa com o Infame, afinal ele tentaria desfilar seu conhecimento da área como um pavão diante de fêmeas e o programa não seria um bate papo, e sim um monólogo.

    • Rvs

      Agora sim, acabei de ouvir. Guilherme, o Winzip do DOS não era o ARJ e sim o PKZIP (me senti o Infame Alexandre agora).
      Alguém usou VGACopy para criar um disquete de 1.7 MB para duplicar o disco 1 da instalação do Windows 95 ?

  • Pingback: Rádio Fliperama #12 – Músicas Marcantes Parte #2 – Podflix - Fliperama de Boteco - Podcast()