Vice: Project Doom - Descubra um clássico obscuro do NES

Vice: Project Doom – Descubra um clássico obscuro do NES

Olá fliperameiros! Você já ouviu falar no jogo de Nintentinho chamado Vice: Project Doom? Provavelmente Não??? Bom, eu também não conhecia até pouco tempo atrás, mas vamos dar uma olhada nele então! Vice: Project Doom (Gun-Dec no japão) é um jogo com temática de ficção científica lançado em 1991, já próximo do fim da vida do console. Nesse ano o Super Nintendo já estava recebendo jogos como The Lengend of Zelda: A Link to the Past, Street Fighter II, Teenage Mutant Ninja Turtles: Turtles in Time e o tão amado do meu coração Another World (FDB #129).

Capa lançada nos EUA do jogo Vice: Project Doom (NES)
Capa lançada nos EUA – meh
Capa lançada no Japão do jogo Vice: Project Doom (NES)
Capa do Famicon, essa sim!

A história

Para tentar entender essa história de ficção científica futurista vamos ter que recorrer ao manual do jogo. Apesar dele contar com cutscenes bem melhores que a média do console, elas podem ser bem confusas sem o contexto apresentado no manual. A história se passa em um mundo futurista, onde sobreviventes alienígenas aterrizaram na terra séculos atrás e criaram um gel verde que usavam para poder sobreviver.

Esse gel é usado por alguns humanos como uma droga que pode ter efeitos colaterais letais. Além disso os aliens usam clones para se esconder dos humanos. Por trás dessa raça alienígena existe uma corporação chamada BEDA, que é responsável clandestinamente pela produção do dito gel.

Você joga com Quinn Hart, oficial da unidade Vice, que dá nome ao jogo. Hart tem a missão de procurar a fonte desse gel e investigar o paradeiro do seu parceiro desaparecido Reese. Próximo ao fim do jogo tem alguns plot twists que não vou revelar aqui para não dar spoilers! As cutscenes são bem feitas para época, mas podem ser um pouco confusas (talvez um problema de tradução)

Final da primeira fase do jogo Vice: Project Doom (NES)
Final da primeira fase

Jogabilidade e estilo de jogo

Vice: Project Doom é principalmente um jogo de Ação e Plataforma Side-Scrolling, mas tem também seções de Shoot’em Up vertical e Rail Shooter, veja no vídeo:

A jogabilidade é simples, você basicamente anda, pula, se abaixa, anda agachado (importante para passar de algumas partes) e ataca. Você tem três tipos de ataque com diferentes armas, um chicote laser (lembra do didi mocó em A Princesa Xuxa e os Trapalhões?) para ataques de proximidade, uma pistola magnum 44 para médio alcance em linha reta e granadas que você lança em arco para ataque em área na explosão.

Os três tipos de ataque do jogo Vice: Project Doom (NES)
Os três tipos de ataque

Tanto a pistola quanto as granadas são limitadas e você precisa recarregá-las coletando power-ups. Você também coleta power ups para recarregar seus hit points e moedas no estilo mário, que só servem para dar pontos e vidas ao coletar 100 unidades.

A dificuldade

Quando comparado outros da época Vice: Project Doom não é difícil, principalmente por que você tem continues infinitos e apenas volta ao início da fase atual quando suas vidas acabam, é quase como os jogos de hoje com muitos checkpoints.

Dificilmente você vai se sentir frustrado. A pior parte são os chefes, mas só até você entender o padrão de ataque deles, depois fica muito, mas muito fácil. Veja o vídeo abaixo.

O gráfico

Aí sim! Aqui é onde Vice: Project Doom se destaca. Usa e abusa dos raster effects (quando muda o scrolling horizontal no meio do frame) para dar efeitos como o dos reflexos da cidade nas ondas mostrado aqui:

Efeito de reflexo e ondas no fundo do jogo Vice: Project Doom (NES)
Efeito de reflexo e ondas no fundo

E esses muitos níveis de parallax dando profundidade ao plano de fundo, ainda com o efeito do clarão do relâmpago:

Ele não apenas se diferencia nos efeitos, mas também em algumas fases a qualidade do cenário é excelente e chega a ponto de não deixar a desejar quando comparado com jogos modernos feitos em estilo pixel art 8bit.

Plano de fundo do estágio nove
Babei com arte desse background

Em algumas partes o jogo usa de um efeito que coloca as sprites atrás do background, dando uma sensação de que tem mais de uma camada de planos de fundo, como no vídeo abaixo onde o personagem e inimigos passam por trás de pilares de metal:

A pergunta que fica é: Será que Vice: Project Doom vai entrar para a lista de jogos que levaram seu console ao infinito e além na próxima ediçao do podcast com esse tema?
Eu espero que sim, pois ele merece!

Som

Aqui o jogo peca, a trilha sonora apesar de ser adequada ao tema futurista e ao ritmo do jogo, sempre bem agitada, é repetitiva e esquecível, você vai terminar o jogo e não vai sentir falta. Ela não é necessariamente ruim, mas deixa a desejar quando comparada ao gráfico por exemplo.

Veredito

Vice: Project Doom é certamente um dos jogos mais bonitos da era dos 8 bits, a jogabilidade é simples mas bastante competente, a dificuldade é justa e só deixa a desejar nos chefes em que você só precisa se dedicar a entender um padrão simples de ataque. Definitivamente um jogo que vale a pena jogar para o console!